Skip navigation

Tag Archives: feira do livro

Reproduzo abaixo artigo meu publicado na página de opinião do jornal Zero Hora do dia 16, e que até agora estava disponível somente para assinantes:

Poetas na praça, por Pedro Mandagará*

Quando termina a Feira do Livro, dois poetas continuam habitando a Praça da Alfândega. No par de esculturas realizado por Xico Stockinger, Mario Quintana está sentado num dos bancos da praça, ouvindo Carlos Drummond de Andrade, que, de pé, lê um livro. Com ou sem Feira, o visitante pode posar para uma foto no local, junto a dois dos maiores poetas brasileiros do século 20.

Os dois poetas habitantes da praça devem ter se sentido envergonhados com o que aconteceu na última sexta-feira, dia 12, durante a Feira do Livro. A poeta Telma Scherer realizava uma performance, de título “Não alimente o escritor”, quando foi detida por um grupo de policiais militares. A detenção foi registrada em vídeo, disponível no YouTube sob o sugestivo título de “Retrato da cultura na 56ª Feira do Livro de Porto Alegre”. No momento em que o vídeo começa, um grupo presta apoio à poeta, tentando impedir sua retirada. Um homem que faz parte do grupo é chamado a “acompanhar” um dos policiais; quando ele diz que tem os seus direitos, o policial responde: “Tu tem o direito de me obedecer também”.

Como estou longe de Porto Alegre, posso reconstruir o que aconteceu antes e depois da parte filmada apenas com base em relatos contraditórios que aparecem online. Telma teria sido presa por perturbar a ordem na Feira e atrapalhar os compradores e feirantes, que teriam reclamado. A poeta também relata em seu blog que, após ser detida, teriam lhe dito que deveria realizar exames médicos, que nunca aconteceram.

Sua prisão desperta muitos questionamentos. São realmente necessários tantos policiais para prender uma poeta? A maior parte deles não poderia estar atuando na coação a ameaças maiores à ordem pública?

Além disso, que conceito de ordem pública está sendo aplicado aqui? Em que sentido uma manifestação literária perturba a ordem de um evento literário? A não ser que se pense que a literatura só pode se manifestar nas páginas de um livro – preferencialmente sendo vendido ou comprado. Teríamos então um conceito muito pobre de literatura.

A organização da Feira do Livro nega ter participado na repressão à performance de Telma – mas a Feira não é só a organização, e também se constitui de feirantes e público. Que alguma dessas pessoas tenha chamado a polícia por uma performance literária mostra o quão próximo estamos desse conceito pobre e estático de literatura.

Uma literatura na qual o bom poeta é o poeta de bronze ou papel: estátua ou letra morta.

*DOUTORANDO EM LETRAS NA PUCRS E PESQUISADOR VISITANTE NA UNIVERSIDADE DE STANFORD